O impacto do estresse na saúde intestinal.

Você sabia que existe interação entre o intestino e o cérebro? Frequentemente um influencia o outro. Quer ver como?

Algumas pessoas sentem náuseas antes de fazer uma apresentação; outros sentem dores abdominais em momentos de estresse. Em qualquer caso, os fatores emocionais e psicossociais desempenham um papel nos distúrbios gastrointestinais funcionais. Os sintomas relacionados ao estresse sentidos no trato gastrointestinal variam muito de uma pessoa para outra, e o tratamento também pode variar.

Como a gravidade dos sintomas varia, o mesmo deve acontecer com as terapias, medicamentos, estratégias de autoajuda ou mesmo as cirurgias usadas para aliviá-los. Muitas pessoas apresentam sintomas leves que respondem rapidamente a mudanças na dieta ou nos medicamentos. Se seus sintomas não melhorarem, seu médico irá realizar alguns testes de diagnóstico para descartar uma causa subjacente. Para algumas pessoas, os sintomas melhoram assim que um diagnóstico sério, como câncer, é descartado. Seu médico também pode recomendar medicamentos específicos para sintomas. Mas às vezes esses tratamentos não são suficientes. À medida que os sintomas pioram e não melhora com nenhum tipo de tratamento, aumenta a probabilidade de você estar passando por algum tipo de sofrimento oculto. Freqüentemente, pessoas com sintomas moderados a graves, particularmente aquelas cujos sintomas surgem de circunstâncias estressantes, podem se beneficiar de terapias direcionadas à mente, como terapia cognitivo-comportamental e técnicas de relaxamento.

Algumas pessoas relutam em aceitar o papel dos fatores psicossociais em sua doença. Mas é importante saber que as emoções causam reações químicas e físicas genuínas no corpo que podem resultar em dor e desconforto. A terapia emocional e comportamental e os tratamentos para redução do estresse ajudam a controlar a dor e a melhorar outros sintomas de maneiras diferentes de como os medicamentos atuam.

O objetivo de todas as terapias é reduzir a ansiedade, encorajar comportamentos saudáveis e ajudar as pessoas a lidar com a dor e o desconforto de sua condição.

Fonte: Harvard Medical School Oct 2020

Deixar um comentário